25 de Novembro – Liberdade e Democracia

 

43 ANOS DO 25 DE NOVEMBRO DE 1975

 Comemora-se hoje, o 43.º aniversário do 25 novembro, o movimento que conteve a ala de radical do Movimento das Forças Armadas, apoiada pela extrema-esquerda, e determinou a natureza pluralista e democrática do regime político e constitucional português, na senda da consolidação do processo democrático iniciado pelo 25 de Abril. O “25 de novembro”, ato singular e irrepetível da nossa história, marca indelevelmente o fim da transição revolucionária.

O povo português soube, não sucumbindo às manobras táticas e estratégicas de uma franja radical da sociedade portuguesa, que podiam ter resvalado numa guerra civil, rejeitar uma visão autocrática e internacionalista de Portugal. O povo português conseguiu, com firmeza, romper com a ditadura de 40 anos e aceitar um caminho diferente, que nos salvou de uma nova ditadura de sinal contrário.

Essa viragem foi decisiva para que Portugal aceitasse pluralmente uma continuidade exemplar na política de integração europeia e ocidental. Com efeito, este entendimento vigorou, nos últimos quarenta e três anos, e foi partilhado pela esmagadora maioria do povo português.

Neste contexto, importa salientar o contributo dos partidos democráticos e a resistência indómita de muitas figuras de relevo, que permitiram que Portugal fosse hoje um país democrático, prestigiado, aberto e tolerante, integrado na União Europeia, em pleno desenvolvimento.

É sob o signo dessa unidade feita pela história que celebramos, uma vez mais, o dia que garantiu o caminho pacífico e democrático do nosso povo.

Testemunhamos a nossa gratidão aos militares que com grande coragem e aprumo militar, pugnaram para a consolidação da Liberdade e Democracia no nosso País.

 

Anúncios

Orçamento de Estado -2019

 

Orçamento do Estado – 2019







CDS questiona Ministro do Ambiente sobre descargas no rio Tejo de efluentes sem tratamento da ETAR de Alverca

CDS questiona Ministro do Ambiente sobre descargas no rio Tejo de efluentes sem tratamento da ETAR de Alverca

Numa pergunta dirigida ao Ministro do Ambiente e Transição Energética, os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ana Rita Bessa, João Rebelo, Isabel Galriça Neto, Filipe Anacoreta Correia e Álvaro Castello-Branco querem saber se a tutela tem conhecimento de alegadas descargas no rio Tejo de efluentes sem tratamento da ETAR de Alverca do Ribatejo e se estas descargas são feitas por incapacidade no tratamento dos resíduos recebidos e se são feitas por incapacidade no tratamento dos resíduos recebidos em dias de elevada pluviosidade.

Além disso, tendo a ETAR entrado em funcionamento no início da década de 10, e tendo sido desenvolvida a pensar num horizonte de 20 anos, os deputados do CDS-PP questionam como se justifica que já esteja a enfrentar este tipo de problemas e querem saber que medidas foram já tomadas para resolver esta situação que configura um gravíssimo atentado ambiental e à saúde pública.

Chegou ao conhecimento do Grupo Parlamentar do CDS-PP que a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Alverca do Ribatejo, da responsabilidade e gestão da Águas do Tejo Atlântico, tem vindo, nos últimos dias, por incapacidade no tratamento, a descarregar efluentes, uns directamente para o rio Tejo, outros sem o tratamento completo, gerando deste modo mais um foco de poluição.

Uma ETAR tem como principal função receber e tratar as águas residuais, de forma a serem devolvidas ao meio ambiente, em condições ambientalmente seguras, pelo que deve ser dimensionada tendo em conta também a pluviosidade prevista. A descarga de efluentes sem o devido tratamento constitui um grave atentado ambiental e pode criar autênticos esgotos a céu aberto, com impacto na saúde pública, sendo que episódios de elevada precipitação não podem justificar o incumprimento dos padrões de qualidade dos efluentes rejeitados.

A ETAR de Alverca do Ribatejo, desenvolvida a pensar num horizonte de 20 anos, insere-se no sistema de drenagem e tratamento de águas residuais do concelho de Vila Franca de Xira e deve descarregar os efluentes tratados na bacia do Tejo, tendo sempre presente o objetivo de requalificar o ambiente e melhorar a saúde pública.

Destina-se a efluentes domésticos, industriais e pluviais e estima-se que em 2024 sirva o equivalente a 153.878 habitantes. O esquema de tratamento inclui lamas activadas e linha de tratamento físico-químico de caudais pluviais.

GP do CDS

 

 

 

 

Etar de Alverca – novo foco de poluição para o rio Tejo

A estação de tratamento de águas residuais (Etar) de Alverca do Ribatejo da responsabilidade e gestão das Águas do Tejo Atlântico , tem vindo nos últimos dias por incapacidade no tratamento a descarregar directamente para o rio Tejo as águas,que recebe dos chamados esgotos, gerando deste modo mais um foco de poluição para o rio.

 

transbordo de águas residuais para o rio Tejo

 

 

 

Tomada de Posse dos Órgãos Concelhios do CDS-PP de Vila Franca de Xira

No passado sábado , 27 de Outubro, no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários de Vila Franca de Xira, realizou-se a tomada de posse dos Órgãos Concelhios do CDS-PP de Vila Franca de Xira, na presença da Presidente do Partido Dr.ª Assunção Cristas , do Secretário-geral Dr. Pedro Morais Soares e do Presidente da Distrital de Lisboa e Deputado da Nação Dr. João Gonçalves Pereira.



Filomena Rodrigues , presidente da Mesa Assembleia Concelhia

António Martins, presidente da Comissão Política Concelhia

Membros dos Órgãos Concelhios com o presidente da distrital de Lisboa

João Gonçalves Pereira , presidente da comissão política distrital de Lisboa

Assunção Cristas

 

fotos de Isabel Santiago Henriques

 

 

 

Assunção Cristas – Conferência de Imprensa sobre o Orçamento de Estado para 2019

Ver  no youtube

 https://www.youtube.com/watch?v=cuKJxDyUm7I