CDS questiona Ministro do Ambiente sobre descargas no rio Tejo de efluentes sem tratamento da ETAR de Alverca


CDS questiona Ministro do Ambiente sobre descargas no rio Tejo de efluentes sem tratamento da ETAR de Alverca

Numa pergunta dirigida ao Ministro do Ambiente e Transição Energética, os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ana Rita Bessa, João Rebelo, Isabel Galriça Neto, Filipe Anacoreta Correia e Álvaro Castello-Branco querem saber se a tutela tem conhecimento de alegadas descargas no rio Tejo de efluentes sem tratamento da ETAR de Alverca do Ribatejo e se estas descargas são feitas por incapacidade no tratamento dos resíduos recebidos e se são feitas por incapacidade no tratamento dos resíduos recebidos em dias de elevada pluviosidade.

Além disso, tendo a ETAR entrado em funcionamento no início da década de 10, e tendo sido desenvolvida a pensar num horizonte de 20 anos, os deputados do CDS-PP questionam como se justifica que já esteja a enfrentar este tipo de problemas e querem saber que medidas foram já tomadas para resolver esta situação que configura um gravíssimo atentado ambiental e à saúde pública.

Chegou ao conhecimento do Grupo Parlamentar do CDS-PP que a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Alverca do Ribatejo, da responsabilidade e gestão da Águas do Tejo Atlântico, tem vindo, nos últimos dias, por incapacidade no tratamento, a descarregar efluentes, uns directamente para o rio Tejo, outros sem o tratamento completo, gerando deste modo mais um foco de poluição.

Uma ETAR tem como principal função receber e tratar as águas residuais, de forma a serem devolvidas ao meio ambiente, em condições ambientalmente seguras, pelo que deve ser dimensionada tendo em conta também a pluviosidade prevista. A descarga de efluentes sem o devido tratamento constitui um grave atentado ambiental e pode criar autênticos esgotos a céu aberto, com impacto na saúde pública, sendo que episódios de elevada precipitação não podem justificar o incumprimento dos padrões de qualidade dos efluentes rejeitados.

A ETAR de Alverca do Ribatejo, desenvolvida a pensar num horizonte de 20 anos, insere-se no sistema de drenagem e tratamento de águas residuais do concelho de Vila Franca de Xira e deve descarregar os efluentes tratados na bacia do Tejo, tendo sempre presente o objetivo de requalificar o ambiente e melhorar a saúde pública.

Destina-se a efluentes domésticos, industriais e pluviais e estima-se que em 2024 sirva o equivalente a 153.878 habitantes. O esquema de tratamento inclui lamas activadas e linha de tratamento físico-químico de caudais pluviais.

GP do CDS

 

 

 

 

Anúncios
%d bloggers like this: