Crescimento e confiança estimulam o consumo


11952015_877460452289350_8957648433048360002_n
“O mercado alimentar está a começar a aproximar-se dos níveis antes da crise”, disse Ana Isabel Trigo Morais, num encontro com jornalistas que decorreu hoje em Lisboa para a divulgação do Barómetro de Vendas da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), que mostra um aumento do volume de vendas do retalho alimentar e não alimentar de 1% no segundo trimestre deste ano, em termos homólogos, muito graças ao contributo positivo do alimentar, que subiu 2%, depois de três trimestres consecutivos de variações negativas.
A responsável explicou que a grande crise começou em 2008/2009, depois “o mercado segurou entre 2009 e 2010”, seguindo-se então no final de 2011/início de 2012 a queda mais significativa e a maior crise do consumo.
Questionada sobre as perspetivas de evolução do mercado ainda durante este ano, Ana Isabel Trigo Morais constatou que Portugal “vai entrar num período agitado”, devido à existência de eleições, mas estimou que “o consumo vai continuar a tendência de crescimento”.
Quanto ao mercado não alimentar, cujas vendas caíram no segundo trimestre deste ano uns ligeiros 0,6%, face ao período homólogo, a diretora-geral da APED afirmou que o mesmo será influenciado pelo preço dos combustíveis, “que tenderá a continuar em baixa”, acrescentando que a atitude do consumidor “é mais otimista do que no passado relativamente aos bens de consumo duradouro”. – CDSNotícias

%d bloggers like this: