CDS diz que ainda não é momento de discutir coligações


Conselho Nacional do partido está reunido este sábado em Elvas.

Portas-e-Cristas16844dcf_400x225

A vice-presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, diz que o partido está a fazer o seu “trabalho de casa” para 2015, quando se realizam eleições legislativas, descartando abordar eventuais coligações.

“Este não é o momento para essa discussão [coligação]. O momento é de trabalhar as nossas ideias, o nosso programa, aquilo que são as nossas prioridades” e é “imprescindível fazer este trabalho de casa”, disse.

Para o CDS, o que “interessa” agora é “identificar os temas de futuro, fazer o trabalho de casa, constituir propostas muito sólidas que, depois, farão parte do nosso programa eleitoral”, acrescentou.

Assunção Cristas falava aos jornalistas à margem do Conselho Nacional do CDS-PP, que está a decorrer em Elvas no auditório São Mateus, no Museu da Fotografia.

A resposta da direcção surge numa altura em que os críticos de Paulo Portas, do movimento Alternativa e Responsabilidade, já avisaram que querem mesmo discutir a questão da coligação com o PSD neste conselho nacional.

Assunção Cristas aproveitou o encontro com os jornalistas para abordar ainda a criação de um gabinete de estudos, para definir as políticas do partido entre 2015 e 2020. O gabinete de estudos do partido é, neste momento, “uma realidade”, sendo constituído por seis áreas temáticas, salientou.

A primeira é subordinada ao tema da “Constituição”, envolvendo o sistema eleitoral e sistema político, a segunda aborda a temática da “Soberania” e, em terceiro lugar, as questões ligadas ao “Território”, em toda a sua abrangência de terra e de mar.

A quarta área é dedicada às “Políticas Económicas, de Emprego e Orçamentais”, ao passo que a quinta área é constituída pelas “Políticas Sociais”, envolvendo as áreas da saúde, educação, segurança social e família.

A sexta e última área do gabinete de estudos do CDS-PP centra-se no tema “Portugal no mundo”.

“Destas áreas temáticas vão sair, depois, grupos de trabalho temporários que poderão durar dois, três, quatro meses para tratarem em específico dos temas que vão ser prioritários para a construção do programa eleitoral do CDS-PP”, disse Assunção Cristas.

http://rr.sapo.pt

Anúncios
%d bloggers like this: