EMPRESAS DEVEM PREPARAR-SE PARA A ABERTURA DAS FRONTEIRAS ENTRE A UE E O CANADÁ


20140225O Vice-Primeiro-Ministro, Paulo Portas, apelou às empresas portuguesas para que aproveitem o ano e meio que falta para a entrada em vigor do acordo de comércio entre a União Europeia e o Canadá: «devem preparar-se, encontrar importadores, fazer parceiras» para exportar produtos de grande qualidade sem pagar direitos à entrada no mercado do Canadá que tem tido um «crescimento exponencial» para Portugal.

O Vice-Primeiro-Ministro falava em Otava, Canadá, durante uma vista de dois dias, na qual foi acompanhado pela Ministra da Agricultura e Mar, Assunção Cristas, e pelos Secretários de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, Pedro Gonçalves, e do Mar, Manuel Pinto de Abreu, e por 25 empresas de diversas áreas como as tecnologias de informação e saúde, bens de consumo, agroalimentar e engenharia. A visita teve como objetivo de estimular o desenvolvimento de parcerias empresariais para aumentar as exportações portuguesas.

O Acordo Económico e Comercial Global entre a UE e o Canadá, assinado em outubro de 2013, vai «remover cerca de 98% das barreiras pautais». Presentemente, «o vinho, o mobiliário, o calçado ou os têxteis portugueses quando exportam para o Canadá pagam direitos de entrada que podem estar acima dos 10% ou atingir muito mais do que isso. Este acordo vai remover essas barreiras, havendo menos entraves na entrada» dos produtos e serviços.

«O Canadá é um país muito importante para as exportações portuguesas. Trata-se do segundo maior país do mundo em área, é a décima primeira economia global, tem o rendimento per capita cerca de 50 mil dólares [35 mil euros] por habitante, o que significa mais do dobro do rendimento per capita português». Ou seja, é «uma sociedade próspera que tem poder de compra para adquirir produtos e marcas portugueses».

«Este mercado é tão grande, e em certo sentido tão rico, que pode ser uma boa aposta para as empresas e marcas e produtos portugueses», afirmou Paulo Portas que recordou que as exportações portuguesas para o Canadá cresceram, «nos últimos quatro anos, cerca de 45%», com o vinho a representar cerca de 20% destas exportações.

O Vice-Primeiro-Ministro deseja que as trocas comerciais com o Canadá ultrapassem os 400 milhões de euros em 2014 (em 2013 foi de 395 milhões), o que é possível porque no primeiro semestre se registou um crescimento de 6%.

Paulo Portas manteve 15 reuniões com autoridades canadianas, incluíndo os Ministros federais do Comércio Internacional (Edward Fast), e da Indústria (James Moore), e o Ministro das Finanças do Ontário, Charles Sousa.

Existem no Canadá cerca de 550 mil portugueses e lusodescendentes, estando a grande maioria localizada na província do Ontário. Atualmente, há mais de mil empresas portuguesas a trabalhar com o mercado canadiano.

http://www.portugal.gov.pt

%d bloggers like this: