Juventude Popular propõe que voltem a ser permitidos levantamentos de 5 euros


A Juventude Popular propôs hoje que voltem a ser permitidos levantamentos de cinco euros nos multibancos ou a criação de taxas bancárias específicas para pagamentos com cartões por jovens, “que cada vez mais têm menos dinheiro nas contas”.

“A nossa proposta é que se pudesse voltar a levantar o valor de cinco euros nas caixas multibanco. Sabemos que cada vez mais os jovens têm menos dinheiro, cinco euros hoje em dia é um valor que pode dar para uma despesa de refeição”, disse à Lusa o presidente da Comissão Nacional da Juventude Popular, Miguel Pires da Silva.

Para o dirigente da estrutura que representa os jovens do CDS-PP, faria por isso “todo o sentido poder voltar a levantar os cinco euros, ainda mais agora, com estas imposições, legítimas, por parte de algumas empresas, que têm vindo a limitar e a estipular mínimos para o pagamento com multibancos”.

“Infelizmente, é uma realidade que muitos jovens têm apenas esse valor disponível na conta e [permitir-lhes levantar cinco euros] poderá contribuir e em muito para dar resposta às suas necessidades imediatas”, acrescentou.

A Juventude Popular alerta que “milhares de jovens recebem as suas mesadas e semanadas por meio do sistema bancário, tendo que se governar muitas vezes com escassos valores, não tendo capacidade muitas vezes para fazer frente a valores tão elevados” como os dos levantamentos e pagamentos mínimos com cartões.

Caso esta proposta não possa ser concretizada, a Juventude Popular propõe a criação “de um regime específico para os pagamentos em multibanco efectuados por jovens com menos de 30 anos, fazendo com que as taxas cobradas [pelos bancos] aos empresários sejam inferiores ou criando algo que beneficie também os próprios empresários”.

A Juventude Popular vai ainda pedir à Entidade da Concorrência que faça uma auditoria às taxas cobradas pelos bancos pelos pagamentos com cartões.

“Portugal é um dos países que cobra taxas mais altas nos multibancos e serviços bancários. É importante clarificarmos o porquê destes valores tão excessivos e tão altos”, disse Miguel Pires da Silva.

A Juventude Popular vai ainda enviar uma “carta aberta” à SIBS (a empresa que gere a rede de caixas multibanco) com esta proposta e, caso seja necessário, tentará “articular uma solução” com o grupo parlamentar do CDS-PP.

Estas propostas surgem depois de o grupo Jerónimo Martins, que tem os supermercados Pingo Doce, ter confirmado que a partir do dia 1 de Setembro vai deixar de aceitar pagamentos com cartões de multibanco e de crédito em compras com valor inferior a 20 euros nesta rede de lojas de distribuição, devido ao elevado valor das taxas.

Lusa /Público

%d bloggers like this: