PROGRAMA NACIONAL PARA O USO EFICIENTE DA ÁGUA

Plano Nacional de Uso Eficiente da Água, 12 junho...
 

PROGRAMA NACIONAL PARA O USO EFICIENTE DA ÁGUA PERMITIRÁ POUPANÇA DE 100 MILHÕES DE EUROS

A Ministra do Ambiente, Assunção Cristas, anunciou que será possível poupar cerca de 100 milhões de euros por ano através do Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água.

A Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território participou na apresentação do Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA). Segundo o programa, agora reestruturado e que contempla 87 medidas para uso eficiente da água, a poupança no setor urbano será de 38,5 milhões de euros, no setor agrícola será de 47,3 milhões, e no setor industrial será de 15,2 milhões.

«Estas são previsões conservadoras, ou seja, são valores por baixo. Vamos trabalhar para que estas poupanças sejam uma realidade», afirmou Assunção Cristas.

Campanhas de sensibilização para consumo eficiente da água e o aumento a disponibilidade e reservas de água no país são algumas das medidas previstas no plano, que pretende traduzir-se em «ações concretas».

A Ministra afirmou que «o PNUEA é um plano transversal que deve ser partilhado por vários setores».

«O ambiente terá tanto mais resultados quanto mais for capaz de penetrar noutras áreas, a importância de aliar este plano ao da eficiência energética» afirmou Assunção Cristas.

As metas a atingir até 2020 apontam para reduzir o desperdício de água no setor urbano para 20%, no setor agrícola para 35% e no setor industrial para 15%.

Anúncios

Financiar empresas – Paulo Portas

Financiar empresas – Paulo Portas

O Conselho Estratégico para a Internacionalização da Economia quer aplicar em dez meses 55 medidas para obter financiamento à empresas.
CM

Embaixadas portuguesas têm plano de negócios aprovado

 
PAULO_1

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, revelou que 66 embaixadas portuguesas já viram o plano de negócios aprovado e que o mesmo vai acontecer com as restantes até ao fim do verão.
 
“Cada embaixada neste momento sabe quais são as metas, quais são as missões e tem a obrigação de comunicar quais são as oportunidades”, explicou Paulo Portas. De acordo com o titular da pasta dos Negócios Estrangeiros, 75 por cento dos postos diplomáticos, comerciais e turísticos já estão “co-localizados, o que significa que, debaixo do chapéu e da autoridade das embaixadas, já há coordenação entre os objetivos diplomáticos, comerciais e turísticos e este trabalho tem que estar completado até ao fim do ano”.
 
O responsável pela diplomacia portuguesa sublinhou que “cada embaixada deve ter um plano de negócios e (…) ser um centro de negócios que permita às empresas portuguesas ganhar quotas de mercado”. Adicionalmente, em conjunto com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), vão ser enviadas para os postos diplomáticos e consulares portugueses indicações ainda esta semana para que “facilitem nas suas instalações a promoção de eventos empresariais”, desde que tenham condições para o fazer.
 
Também ainda este ano vai ser aberto um novo concurso para diplomatas, avançou o ministro, com os candidatos colocados a deverem estagiar em empresas para que “a linguagem comercial seja natural para diplomatas”.