Portugal faz “ponto de situação” em Bruxelas em Abril

 

A Ministra da Agricultura, Assunção Cristas, revelou hoje que está marcada, para o dia 19 de Abril, uma reunião com o Comissário Europeu da Agricultura, Dacian Ciolos, para fazer “o ponto de situação” sobre a seca.

“Está marcada uma reunião com o Comissário (europeu) da Agricultura, para se fazer o ponto de situação de tudo o que está em marcha, no dia 19 de Abril, que é antes ainda da próxima reunião do Conselho (de Ministros dos 27)”, afirmou.

Entretanto, reiterou a Ministra, “estão, ao nível técnico, a ser afinadas todas as derrogações administrativas que Portugal já pediu e nós, internamente, estamos a trabalhar nas nossas medidas”.

Assunção Cristas participou hoje, em Bruxelas, numa conferência sobre planeamento marítimo.

De acordo com o último boletim quinzenal do Observatório de Secas do Instituto de Meteorologia, 53 por cento do território nacional encontrava-se a 15 de Março em situação de seca extrema, enquanto os restantes 47 por cento estavam em seca severa.

DN/Lusa

Anúncios

REFORÇO DA APOSTA NO SECTOR FLORESTAL QUE JÁ É O TERCEIRO MAIOR EXPORTADOR NACIONAL

O Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Daniel Campelo, afirmou que «os 1,5 milhões de hectares de floresta desaproveitados no país e apelou ao reforço da aposta num setor que já é o terceiro maior exportador nacional».

«É necessário encontrar formas de mobilizar os proprietários para porem a floresta abandonada a produzir porque, apesar de tudo, Portugal ainda importa mais de 400 milhões de euros de material proveniente da floresta», afirmou Daniel Campelo.

O Secretário de Estado esteve presente na inauguração da 45.ª edição da Agro, Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, em Braga, onde afirmou que «a seca está a criar grandes dificuldades aos agricultores mas estou confiante de que o programa de emergência será uma boa ajuda para as ultrapassar».

«Se conseguirmos essa organização e mobilização por parte dos proprietários que têm os terrenos e não os utilizam, conseguiremos dar um contributo muito forte à nossa economia e um contributo indispensável para a prevenção de fogos florestais», acrescentou o Secretário de Estado.

O Secretário de Estado destacou a necessidade de aposta na floresta «ocupa o terceiro lugar no ranking das exportações nacionais, com 11%, logo a seguir à Galp e à Autoeuropa».

«Contamos com os privados – cerca de 92% da floresta nacional é privada -, temos de trabalhar com os agentes privados e com o setor da produção e com as indústrias, quer do papel, mobiliário, madeira e cortiça, fileiras bem organizadas que têm dado um grande contributo ao país e podem aumentar ainda mais esse contributo», afirmou.

«O importante é que o setor se organize e o Governo possa cooperar, para podermos produzir mais e com mais qualidade e com isso reduzir as importações, que é o que o país necessita para corrigir a sua situação económica e financeira», acrescentou Daniel Campelo.